Partilhar

Desconto: 10%
40,50 € 45,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

• Introdução
• O Homem
• A Sociedade
• A Ordem
• O Poder
• A Norma
• A Construção Jurídica
• A Ilicitude
• A Reacção à Ilicitude

NOTA PRELIMINAR DA 3.ª EDIÇÃO


Ao ser lançada esta obra, em 1991, procurou-se justificar algumas tomadas de posição pelas previsões quanto à necessária revisão, através do século XXI, de princípios julgados essenciais e inabaláveis no decurso da Idade Moderna e da Idade Contemporânea. Porque o tempo terá posto a descoberto o fundo falacioso desses princípios. E terá dado a conhecer a colheita dolorosa, trágica, resultante da sementeira daqueles mesmos princípios. Referiu-se então que o homem deificado se desacreditara inteiramente. Em razão de repetidos insucessos, próprios de aprendizes de feiticeiros. Nos últimos anos, já entrado o século XXI, estes insucessos e aquele descrédito avolumaram-se mais ainda. Os povos, no seu desânimo, querem mesmo remover as mentiras convencionais acumuladas, sobretudo, através dos últimos duzentos anos, de cuja falsidade se vão apercebendo. Porque têm tomado consciência de que elas envolveram a servidão humana no manto enganador de uma utópica liberdade abstracta, destinada, afinal, a fazer esquecer a autenticidade das antigas liberdades, que importa restabelecer, a fim de prevenir o flagelo de uma desenfreada licença, que tudo e todos ameaça. Revolvendo os arquivos, meditando com alguma profundidade, descobrindo alguma coisa do muito que se tem procurado ocultar, elementos jovens, afastando-se da preparação meramente técnica, atraídos pela cultura integral, vão procurando, nos diversos países e latitudes, retomar a linha de continuidade das civilizações. E essa linha de continuidade aparta-os da tirania dogmática imposta pêlos cânones do positivismo. Semelhante reacção tem-se manifestado particularmente nos domínios da História e do Direito. Por motivos compreensíveis. A História ensina que a própria natureza é incompatível com o imobilismo, mas também com as improvisações precipitadas. E os dramas contemporâneos despertaram os espíritos atentos para o absurdo de legislações que, alheadas do conflito eterno entre o bem e o mal, se mostram indiferentes aos aspectos qualitativos e elevaram a quantidade à cimeira do absoluto. Essa mesma reacção da juventude estudiosa me convenceu plenamente de que eram ajustadas as previsões que arrisquei há uma dúzia de anos. Tanto quanto, no plano humano, as previsões serão admissíveis, sempre cerceadas por múltiplos condicionais. O século XXI estará, pois, destinado a profundas revisões e alternativas de rumos, para as quais há-de oferecer valiosa contribuição a Filosofia do Direito. Na medida em que saiba manter inteira independência face aos caprichos e às arbitrariedades dos legisladores, assim como em relação a todas as fantasias conjunturais que desconheçam a natureza essencial do homem e o fundo cultural por ele acumulado atavés dos tempos. Convirá que essa necessária e primordial contribuição da Filosofia do Direito para as revisões que os condicionalismos impõem seja afirmada com clareza, em simplicidade de linguagem, acessível a quantos pretendam razoavelmente conhecer as vias adequadas a superar a actual crise da Justiça.

1 de Fevereiro de 2003

Ler mais

Autor

Pedro Soares Martínez

Nasceu em Lisboa (1925), licenciou-se em Ciências Jurídicas (1947) e em Ciências Político-Económicas (1949) pela Faculdade de Direito de Lisboa, em cujo corpo docente ingressou, em 1950 como segundo-assistente. Doutorado em Ciências Político-Económicas pela mesma Faculdade (1953), foi seguidamente contratado como primeiro-assistente. Desde então tem aí regido disciplinas de Economia Política, Finanças, Direito Fiscal, Direito Corporativo, Direito do Trabalho, História Diplomática, História das Relações Internacionais e Filosofia do Direito. Foi aprovado, por unanimidade, em concursos de provas públicas, professor extraordinário e professor catedrático do Grupo de Ciências Económicas da referida Faculdade, respectivamente, em 1956 e em 1958. Também foi funcionário dos quadros diplomáticos do Ministério dos Negócios Estrangeiros, participou de diversas comissões de serviço público, desempenhou as funções de procurador à Câmara Corporativa (1960--1968) e as de ministro da Saúde e Assistência (1962-1963). Advogado pela Comarca de Lisboa, exerceu cargos de administração e de consulta em diversas empresas privadas, especialmente nos sectores bancário e segurador. Tem extensa colaboração em revistas e jornais, portugueses e estrangeiros. Director da Secção de Economia da Enciclopédia «Verbo», membro de numerosas instituições científicas e culturais, é sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa, Vice-Presidente da respectiva Classe de Letras, sócio de número da Academia Portuguesa da História, sócio correspondente português do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, sócio correspondente da «Real Academia de la História» (Madrid) e da «Académia Nacional de la História», da Venezuela. É também professor da Universidade Católica Portuguesa.

Ler mais