Partilhar

Desconto: 10%
15,21 € 16,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Faussone, o protagonista desta «primeira obra» de Primo Levi, ou melhor, do seu primeiro romance fictício, é um trabalhador qualificado que deixa para trás a dura experiência da linha de montagem da Lancia para viajar pelo mundo a montar gruas, pontes suspensas, estruturas metálicas e instalações petrolíferas. O livro mais otimista e irónico de Primo Levi.
Sobre ele, Bernard Levin, do The Times, escreveu: «Este não é um livro para jornalistas. Os funcionários públicos também se sentirão inquietos quando o lerem, e quanto aos advogados, nunca mais dormirão. Pois trata-se de um livro sobre um homem na sua qualidade de homo faber, de fabricante de coisas com as próprias mãos, e o que fizemos nós nas nossas vidas a não ser palavras?! Digo que é "sobre" o homem que faz; na verdade, é mais um hino de louvor do que uma descrição, e não só porque o herói do livro, que é um trabalhador, é, de facto, um herói - uma figura, na sua humanidade e simplicidade, digna de ser incluída no catálogo de gigantes míticos, ao lado de Hércules, Atlas, Gargântua e Orion. Ele é Faussone, um "armador".»

Ler mais

Amostra

Autor

Primo Levi

Primo Levi nasceu em Turim, em 1919, e suicidou-se nessa cidade em 1987. Licenciado em Química, participou na Resistência, foi preso e internado no campo de concentração de Auschwitz. É com Calvino e Pavese, uma das principais figuras da geração italiana do pós-guerra. Notabilizou-se pela autoria de vários livros sobre a experiência naqueles campos ? de que o livro Se isto é um homem é o exemplo mais célebre ? assim como por contos e romances. Assim foi Auschwitz, escrito com Leonardo De Benedetti e curado por Fabio levi e Domenico Scarpa, recolhe um conjunto admirável de textos inéditos em Portugal sobre a experiência dos campos de extermínio. «Esta é a experiência da qual saí e que me marcou profundamente; o seu símbolo é a tatuagem que até hoje trago no braço: o meu nome de quando não tinha nome, o número 174517. Marcou-me, mas não me tirou o desejo de viver. Aumentou-o, porque conferiu uma finalidade à minha vida, a de dar testemunho, para que nada semelhante alguma vez volte a acontecer. É esta a finalidade que têm os meus livros.»

Ler mais