Partilhar

Desconto: 20%
10,32 € 12,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

A morte depois da vida e a vida depois da morte. Depois de morrermos é possível voltar à vida? Pierre e Eve tiveram essa oportunidade, que é dada só em casos especiais. Os dois foram assassinados, levaram vidas muito diferentes. Não se encontraram, não tiveram tempo. O ser que rege o Universo e que cuida da vida e da morte, o «Diretor», também comete erros e o artigo 140 existe para reparar possíveis equívocos: «Se em consequência de um erro, um homem e uma mulher destinados um ao outro, não se encontram durante a vida, podem reclamar e obter autorização para voltar à Terra, dentro de certas condições para ir viver ali o amor e a vida em comum que lhes foi indevidamente frustrada.»
Os dois têm uma nova oportunidade, mas descobrem que o destino é mais forte que o livre-arbítrio, que por mais que se esforcem, a vida parece estar encaminhada para uma direção determinada. Essa mensagem deixada por Sartre pode provocar duas reações: resignação e alívio, «já que o Destino rege a minha vida, não tenho culpa ou mérito por tudo que me acontece, vou relaxar!»; ou desesperança e temor, «por mais que eu faça e me esforce, a Sorte está lançada, não tenho controlo sobre a minha vida, qual será o meu Destino, então?»

Ler mais

Autor

Jean-Paul Sartre

Jean-Paul Sartre (1905-1980) foi um filósofo e escritor francês reconhecido unanimemente como um dos maiores vultos da corrente existencialista. A sua atividade literária de excelência abrangeu os mais diversos géneros – do teatro ao romance e ensaio – e foi reconhecida pela academia sueca, que o laureou com o Prémio Nobel da Literatura em 1964. Todavia, Sartre foi o primeiro autor a recusar este prémio, pois defendia que «um escritor que adota posições políticas, sociais ou literárias deve agir apenas com os meios que são seus – ou seja, a palavra escrita. Todas as honras que possa receber expõem os seus leitores a uma pressão que não considero desejável.»
Sartre foi presidente do tribunal criado por Bertrand Russell para julgar a conduta militar norte-americana na Indochina em 1967. Apoiou vivamente os ideais do Maio de 68 e em 1970 foi detido por vender propaganda maoista, na altura proibida em França. 


Ler mais