Partilhar

O Direito dos Accionistas à Informação

Monografias

Sofia Ribeiro Branco

Em Stock


Desconto: 20%
24,23 € 30,28 €

Detalhes do Produto

Sinopse

O texto que agora é publicado tem por base uma investigação sobre o tema da informação societária, focalizando-se naquela informação que chega aos accionistas enquanto pessoas especialmente relacionadas com a sociedade.
Com a abertura do capital das grandes sociedades anónimas portuguesas ao investimento do público e com o inerente despontar da actividade bolsista, lançaram-se novos desafios ao legislador nacional. Concomitantemente, o risco de investimento das poupanças nas Sociedades Anónimas, especialmente nas abertas, determinou a necessidade de regulamentação do mercado de forma a proteger essas poupanças e manter um mercado equilibrado, eficiente e tendencialmente transparente.
Volvidos vinte anos sobre a vigência do Código das Sociedades Comerciais e tendo sido publicados dois Códigos de Valores Mobiliários, a que se somam numerosos Regulamentos e Recomendações dos Reguladores, cumpre fazer um balanço crítico da aplicação das normas que regulam este tema tendo em consideração a distinta utilidade da informação para os diversos tipos de accionistas e o diferente nível de intervenção e de vigilância sobre a gestão da sociedade. Surpreende no balanço realizado o impacto da Reforma do Direito das Sociedades operada em 2006 que, de forma inesperada, veio comprimir o domínio do direito à informação que é privativo dos accionistas.


ÍNDICE

Introdução

PARTE I Pressupostos de Análise
1. A Dinâmica Organizacional das Sociedades Anónimas
2. Tipos de Accionistas a Considerar no Quadro do Direito à Informação

PARTE II Abordagem Genérica do Direito à Informação
1. Perspectiva Histórica
2. Notas de Direito Comparado
3. Notas de Direito Europeu das Sociedades
4. Figuras Próximas do Direito à Informação em Análise e Modalidades de Informação
5. Aplicação Indirecta dos Artigos 288.° a 293.° do CSC

PARTE III A Informação Obtida pelos Accionistas de Forma Reflexa Informação Indirecta
1. A Informação Indirecta
2. A Publicidade Informativa
3. Informações obtidas através do Registo Comercial
4. Informações obtidas através das Menções Obrigatórias em Actos Externos
5. Informações obtidas através das Publicações Obrigatórias impostas pelo CVM
6. A Informação Transmitida ao Mercado através da Imprensa
7. A Qualidade da Informação Acessível ao Público
8. Sobrecarga Informativa?
9. Informação Reflexa ou Indirecta: Direito de Informação do Accionista ou Mera Protecção Reflexa?

PARTE IV A Informação Directa Espontânea
1. A Informação Directa Espontânea
2. Informações "Preparatórias da Assembleia Geral"
3. Transformação da Sociedade, Fusão, Cisão ou alterações no Capital Social
4. Informação Directa Espontânea: ainda apenas uma Obrigação da Sociedade?

PARTE V O Direito dos Accionistas à Informação (A Informação Directa Provocada)
1. Os Sujeitos
2. As Condições do Exercício do Direito
3. O Conteúdo e a Qualidade da Informação
4. Modos de Manifestação do Direito dos Accionistas à Informação
5. O Exercício do Direito à Informação
6. Os Limites do Direito à Informação - Situações de Recusa da Informação
7. A Satisfação dos Pedidos de Informação do Accionista
8. Os Mecanismos de Tutela do Direito do Accionista à Informação
9. Os Mecanismos de Tutela da Sociedade
10. Os Mecanismos de Tutela do Interesse Geral, Maxime do Mercado

Conclusões
1. Fisionomia do Direito dos Accionistas à Informação
2. Escopo(s) do Direito à Informação
3. O Espaço do Direito à Informação nas Sociedades Abertas
4. O Mesmo Direito vinte anos depois?

Fontes de Pesquisa
1. Principal Legislação Consultada
2. Principal Jurisprudência Consultada
3. Bibliografia
4. Outras Fontes de Pesquisa

Ler mais

Autor

Sofia Ribeiro Branco

Sofia Ribeiro Branco, nasceu em Lisboa, licenciou-se em Direito pela Universidade Católica Portuguesa em 1999, concluiu o mestrado em Ciências Jurídicas em 2008, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (dissertação sobre o direito dos accionistas à informação). É advogada, exercendo a sua actividade na área de contencioso, onde tem trabalhado, essencialmente, em assuntos de contencioso comercial (incluindo contratos de distribuição), societário, criminal e contra-ordenacional, em Portugal e no estrangeiro. É autora de “A representação de minorias accionistas no Conselho de Administração”, 2004.

Ler mais