Partilhar

Desconto: 20%
35,20 € 44,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

«As Confissões de Santo Agostinho, no dizer de Eduardo Lourenço, são obra mítica da Cultura Ocidental. Na verdade, se por mítica se entende aquela obra que, ao dizer e confessar, está simultaneamente a criar uma demanda originária, que enraíza matricialmente numa mundividência sobre a qual exerce um fascínio quase inexplicável, então a história da sobrevida e da tradução das Confissões torna pertinente tal designação. É inegável que, se o género confessional não foi inaugurado por Santo Agostinho, foi ele quem, com as Confissões, mais divulgou a literatura de viagens interiores, de autobiografia íntima, de subida às moradas e aos palácios da memória que marcou, profundamente, a nossa espiritualidade e contribuiu para um processo de elaboração da nossa consciência. A liberdade, a amizade, a procura, o encontro, a alegria, o louvor; as emoções, os sentimentos, a razão, a fé; a criação, o tempo, a memória, a eternidade; o mal, o pecado, o erro, a culpa, a ilusão e a desilusão: eis a experiência de um homem de carne e osso que, em toda a sua riqueza e complexidade, converge para as Confissões, e que releituras sucessivas de certo modo universalizaram e concretizaram. Reler as Confissões é ampliar, com o nosso, o seu testemunho. É esta a leitura apropriada, pois o pensamento augustiniano, mormente nas Confissões, reverte o tempo crónico — esse devorador dos seus próprios filhos — pela remissão para uma ordem sincrónica que pode ser, nesta hora, uma vitória sobre o desespero e o terror do tempo. É, por isso, um pensamento aberto ao possível e, talvez, ao impossível. E isto é o que mais importa pensar.»

In contracapa.

Ler mais

Autor

Santo Agostinho

SANTO AGOSTINHO nasceu em Tagaste (Numídia) em 354. Filho de pai pagão e mãe cristã, foi por esta educado no Cristianismo, que abandonou na juventude. Estudou gramática e literatura latinas. Dos 21 aos 29 anos, ensinou retórica em Cartago. Durante esta época, professou a filosofia maniqueia, contra a qual polemizaria, mais tarde, nas suas obras. Já em Milão, o convívio com Santo Ambrósio levou-o a converter-se ao Cristianismo (386). Nesta época, leu Plotino em versão latina. Em 388 voltou a África, sendo sucessivamente bispo auxiliar e titular de Hipona. Morreu em 430, enquanto os vândalos sitiavam Hipona, quando o Império Romano se destruía definitivamente.

Ler mais