Partilhar

Desconto: 10%
56,98 € 63,30 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Charles Taylor, vencedor do Prémio Templeton, em 2007, escreveu esta obra, considerada indispensável, sobre a «era secular». Segundo o autor, esta era é caracterizada, não só pela saída da religião do espaço público, mas também pelo facto de que a «crença em deus não é axiomática» e que as crenças de um ou outro sinal já não são precondições da existência social e pessoal. Neste sen- tido, o secularismo descreve uma era na qual os preconceitos e pré-julgamentos tradicionais surgem sistematicamente sob um exame crítico.
O autor inicia a obra interrogando sobre o significado de se viver «numa Era Secular». O que significa viver em uma Era Secular para aqueles que vivem no mundo do Atlântico Norte?
Inicialmente, Taylor restringe a sua análise a essa área geográfica, mais especificamente à «cristandade latina», no entanto compreende que a secularidade seja um fenómeno que se estende de maneira diferente e parcial para além do norte do Ocidente. Os países islâmicos, a Índia e a África não são classificados como «secularizados», na perspetiva do autor. A modernidade, diz, promove a secularidade em três formas distintas, mas inter-relacionadas: A religião como questão privada e a sua ausência nos espaços públicos; O abandono de convicções e práticas religiosas; As condições da fé.
Segundo Taylor, foi a chegada do humanismo exclusivo como uma opção disponível que possibilitou a secularização. Esse humanismo é antropocêntrico e define-se como a medida de todas as coisas, parafraseando Pitágoras. Trata-se de uma perspetiva da vida que se concentra na capacidade do homem em construir para si um mundo livre e autónomo de Deus ou do sagrado como explicação da existência. Essa perspetiva que se desdobra ainda mais entre os filósofos da suspeita reafirma, se não a «morte de Deus», pelo menos o seu completo banimento do mundo.
Entre as contribuições mais significativas do autor está o conceito de secularidade como um processo ad intra em vez de ad extra em relação à religião. Até então, alguns autores trataram da secularidade como exterior e mesmo contraposto à religião. Taylor, entretanto, situa-a como um processo intrarreligioso.
Isto significa afirmar que a intensidade da secularidade está intrinsecamente ligada à intensidade com que a religião se manifesta na sociedade. Para Taylor, portanto, a secularidade consiste em novas condições de crença; numa nova feição da experiência que incita a crença e é definida por ela, num novo con- texto no qual toda a busca e todo o questionamento do moral e do espiritual devem ser conduzidos. Há ainda a destacar alguns conceitos caros ao autor, como por exemplo: «contexto de compreensão»; «plenitude»; «religião».

Ler mais

Autor

Charles Taylor

CHARLES TAYLOR (n. 1931) é Professor Jubilado de Filosofia da McGill University em Montreal, Canadá. Autor de vasta e diversificada obra filosófica, em que se destacam Hegel (1975), Sources of the Self: The Making of Modern Identity (1989), The Ethics of Authenticity (1992) e A Secular Age (2007), muito tem contribuído para a compreensão e explicitação dos valores e bens que caracterizam a cultura e a identidade ocidentais.
Reconhecido como um dos nomes maiores da Filosofia Social e Política contemporânea, pela acção e pela reflexão, Charles Taylor foi agraciado com a mais alta condecoração civil canadiana, a Ordem do Canadá, é Grande Oficial da Ordem Nacional do Quebeque, tendo-lhe sido atribuído, em 2007, o Prémio Templeton e, em 2008, o Prémio Kyoto.

Ler mais