ENVIOS GRÁTIS - Para compras de 20/11 a 16/12. Devolução prolongada até 30/01/2021. Ver condições

Partilhar

Desconto: 20%
5,60 € 7,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

É uma poesia com data(s), registo pungente de uma memória histórica recente, encruzilhada por onde passam e deixam marcas, na década de cinquenta, tradições que ecoam Safo, o Cântico Maior ou o Surrealismo, trazendo uma assinatura própria, como a de alguns contemporâneos mais divulgados que também já ganharam voz em português — Celan ou Johannes Bobrowski. Vinda dos tempos negros de uma Áustria que aceitou a pata de Hitler, Ingeborg Bachmann cedo encontrou os caminhos mais luminosos do Sul (vive em Itália entre 1953/57 e 1965/73) e da poesia, que preenche, com dois livros (Die gestuntete Zeit/ O Tempo Aprazado e Anrufung des großen Bären/ Invocação da Ursa Maior), a primeira década da sua produção literária.

Depois viria o tempo, a que os leitores portugueses já tiveram acesso, através da publicação do livro de contos Trinta Anos e do romance Malina. A sua poética, exposta em 1959/60 nas Lições de Frankfurt, revela uma busca obsessiva dos caminhos que permitem (ainda) à linguagem encontrar-se com o real, e à literatura — a de ontem, a de hoje e a de sempre — continuar a afirmar-se como campo aberto, a única utopia que permanentemente se concretiza. Pode, pois, ler a poesia de Ingeborg Bachmann, no volume da colecção “Gato Maltês” com o título O Tempo Aprazado, edição bilingue.

Ler mais

Autor

Ingeborg Bachmann

Nascida em 1926 em Klagenfurt, na Áustria, INGEBORG BACHMANN é um dos maiores talentos dos nossos dias. Em 1950 doutorou-se em Filosofia com uma tese sobre o existencialismo de Heidegger. Em 1952 liga-se ao “Grupo 52”, movimento poético de vanguarda da República Federal Alemã. Tendo trabalhado na rádio austríaca, abandona tudo para se dedicar exclusivamente à literatura. Faleceu em Outubro de 1973, em Roma, devido a queimaduras sofridas num incêndio.

Ler mais