Partilhar

14,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

PARA LÁ DAS TRIVIAIS FRONTEIRAS LITERÁRIAS E CIENTÍFICAS, UM ANTROPÓLOGO DESVENDA-NOS O MUNDO DOS CURANDEIROS MOÇAMBICANOS É difícil prever o sentimento de um antropólogo europeu no momento em que está a fazer um tratamento de protecção com curandeiros moçambicanos e uma ovelha é degolada às suas costas. Também pode não ser imediatamente compreensível o que o colocou nessa situação — que peripécias, que visões do mundo, que ética e que relação com o próximo. Numa perspectiva pessoal e intimista, Paulo Granjo combina literatura e conhecimento científico para partilhar uma experiência única, transformadora e que nos leva a interrogar: é possível praticar com sinceridade rituais que falam e pensam em espíritos, conciliando isso com uma visão do mundo «moderna» e materialista? E porque não haveria de ser? Uma viagem de descoberta que se lê com prazer e assombro. «Um chato como eu, de quem ninguém conhecia a filiação, com as teses já feitas e que os procurara para perceber porque é que os operários da Mozal tinham amuletos e cicatrizes de vacinas protectoras e, palavra puxa palavra, acabara a ter longas conversas acerca das suas explicações para as coisas más acontecerem, ou sobre o que faziam para desocultar e domar os incertos infortúnios que nos rodeiam, isso era insólito e exótico. Insólita, também, a aparente temeridade de querer ver, tocar nas coisas, ajudar nas acções que fazem parte da sua arte. Eu era uma carta fora do baralho. Ora numa coisa os bons curandeiros são parecidos com os bons antropólogos: para eles, aquilo que é insólito tem de ter uma explicação. E se tem uma explicação, é preciso procurá-la.» Sinopse curta Combinando literatura e conhecimento científico, numa perspectiva pessoal e intimista, um antropólogo europeu fez um tratamento de protecção com curandeiros moçambicanos e partilha com o leitor essa viagem de descoberta.


Ler mais

Autor

Paulo Granjo

Paulo Granjo é antropólogo, investigador no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Português e cidadão do mundo, mantém desde 1999 uma relação profunda e empática com Moçambique, alicerçada na docência universitária e na pesquisa acerca de temas como o perigo industrial, o lobolo, a adivinhação e cura, a feitiçaria, a reintegração social de veteranos da guerra civil, os protestos violentos de 2008 e 2010, os linchamentos, a discriminação de albinos e gémeos, as práticas de saúde mental, ou as indústrias extractivas. Acerca desses assuntos, publicou diversos livros e artigos científicos. É sócio honorário da Associação de Médicos Tradicionais de Moçambique e galardoado com o Prémio Sedas Nunes (2007) pelo livro «Trabalhamos Sobre Um Barril de Pólvora»: Homens e perigo na refinaria de Sines.

Este livro, intimista e em registo literário, resulta de uma experiência marcante na sua vida profissional e da sua ligação afectiva com o país e os seus habitantes.

Ler mais