Partilhar

Desconto: 10%
13,50 € 15,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

A beleza será convulsiva ou não será nada.

  Nadja (1928), um dos primeiros romances surrealistas, foi considerado pelo autor a sua obra-chave. Fazendo uso de uma assumida fusão de géneros e de uma abundância de fotografias de Man Ray, de Jacques-André Boiffard e do próprio autor, André Breton conta a história, misto de sonho e realidade, da breve e tempestuosa relação do narrador com Nadja, uma «alma errante», uma trágica e misteriosa jovem por quem se sente bizarramente fascinado. E é através dos olhos dessa mulher que ele é transportado numa deambulação por Paris e, ao mesmo tempo, numa profunda busca de si mesmo, uma tentativa de resposta à pergunta seminal com que abre a narrativa: «Quem sou?» Esta obra foi revista e reeditada pelo autor em 1963. 

Ler mais

Autor

André Breton

«Papa do surrealismo» para muitos dos seus detractores e um dos principais teorizadores desta corrente, André Breton (1896-1966) sempre se norteou pelo desdém pelas convenções literárias e sociais. Constrangido a estudar medicina quando a poesia já se apoderara do seu coração, foi influenciado por Guillaume Apollinaire, Louis Aragon e Paul Éluard. O inconsciente e a loucura interessaram-lhe como fontes criadoras e bebeu de Freud para desenvolver a técnica da escrita automática, que viria a experimentar em Les Champs Magnétiques (1920). Em 1924, publicou o Manifesto Surrealista, assumindo no ano seguinte a direcção da revista La Révolution Surréaliste. Após o exílio nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, regressou a Paris, onde se opôs ao colonialismo francês. 

Ler mais