Partilhar

Desconto: 20%
13,28 € 16,60 €

Detalhes do Produto

Sinopse

A Caixa é uma obra quase tão polémica como Descascando a Cebola, a primeira autobiografia em que Günter Grass tomou a decisão de contar em pormenor o seu passado nas SS hitlerianas quando tinha 17 anos. As revelações agora libertam-se do campo político e voltam-se para o seu universo familiar. A Caixa reproduz várias conversas gravadas pelos oito filhos do autor - às vezes todos juntos, outras vezes sozinhos - que recordam a sua infância e juventude, bem como as mudanças de casa e as relações amorosas do pai. O livro conta a vida do escritor a partir do momento em que Descascando a Cebola havia parado, ou seja, 1959 e é uma mistura de ficção e realidade. Narra as suas relações familiares num desafio feroz e, por vezes, expressa a ternura, a crítica, a indiferença… todos os sentimentos que se reflectem na relação do escritor com os filhos. O título é uma referência a uma máquina fotográfica antiga da Agfa, fabricada em formato de caixa.
É o símbolo central da história, pois é com ela que a personagem principal, Maria, fotografa o quotidiano desta família. Uma máquina que sobreviveu á guerra e aos incêndios de Berlim e que, de algum modo, adquiriu a faculdade de avançar e retroceder no tempo. A Caixa é um retrato em sépia da memória de um passado que não dá descanso ao escritor.

Ler mais

Autor

Günter Grass

Gunter Grass nasceu em 1927, na cidade de Danzig na Polónia, embora tenha nacionalidade alemã. Aos dezasseis anos foi recrutado pelo exército alemão para combater na II Guerra Mundial onde foi ferido em combate em 1944 e mais tarde aprisionado pelas tropas norte americanas. Libertado em 1946, passou por um período difícil trabalhando na agricultura, numa mina de potassa e como aprendiz de pedreiro. A experiência conseguida durante esse período fez com que se entusiasmasse pela vida criativa e em 1948 é admitido no curso de Pintura e Escultura da Academia das Artes de Düsseldorf.. Obteve grande reconhecimento a nível internacional após a publicação de “Die Blechtrommel” (1956). Continuou a escrever, publicando “Katz Und Maus” (1961) e “Hundejahre” (1963), que com “Die Blechtrommel”, formam a "Trilogia de Danzig". Alterna a actividade literária com a escultura, enquanto participa de forma activa da vida pública de seu país Contesta, desde o início, as ideias nazistas que o atraíram na juventude e é hoje considerado o porta-voz literário da geração alemã que cresceu durante o nazismo descrevendo-se a si mesmo como um Spätaufklärer, um devoto da iluminação numa era cansada da razão. A partir da década de 70, debruçou-se sobre temas de importância, como o pacifismo, a ecologia, o feminismo e o papel dos intelectuais na realização de um mundo melhor. Recebeu o Nobel da Literatura de 1999.

Ler mais