Partilhar

Um Bárbaro na Ásia

Michaux, Henri

Em Stock



Desconto: 10%
12,60 € 14,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Num périplo pelo Oriente, Henri Michaux compõe um retrato aforístico da cultura, mas também da espiritualidade, dos povos asiáticos, num registo que oscila entre o poético e o realista, não deixando de observar também incoerências e excentricidades.

«Cidade de cónegos e do seu amo, seu mestre em impudência e despreocupação, a vaca.

Eles estabeleceram aliança com a vaca, mas a vaca não quer saber disso. A vaca e o macaco, os dois animais sagrados mais impudicos. Em Calcutá, há vacas por toda a parte. Atravessam as ruas, deitam-se ao comprido nos passeios inutilizando-os, largam a bosta diante do automóvel do vice-rei, passam revista aos armazéns, ameaçam o ascensor, instalam-se nos patamares, e se o hindu fosse pastável, sem dúvida que seria pastado.»


Ler mais

Autor

Michaux, Henri

Henri Michaux nasceu em 1899 em Namur, nas Ardenas. Preparava o seu curso de medicina quando, de repente, partiu como marujo. Em 1921, desembarcou em Marselha. O desarmamento dos navios, após a Primeira Guerra Mundial, obriga-o a renunciar ao mar e a exercer toda a espécie de ofícios. Começa a escrever em 1922, na sequência de uma aposta. Havia já publicado uma obra importante quando é revelado, em 1941, por uma célebre conferência de Gide: Descubramos Henri Michaux. Os seus livros, próximos do surrealismo, mas apesar de tudo completamente à parte, são poemas, descrições de mundos imaginários, inventários de sonhos, uma exploração dos infinitos criados pelas substâncias alucinogénias. É em 1931 que Michaux realiza a viagem que lhe inspira Um Bárbaro na Ásia. Este livro é uma apreciação deste périplo que o levou às Índias, à China, ao Japão, à Malásia e à Indonésia. Michaux interessa-se menos pelas paisagens, pelos costumes, pela vida social, económica ou política do que pela espiritualidade e pela cultura dos povos da Ásia. As suas impressões de viagem são anotadas com bom humor e desenvoltura. É sem dúvida o livro mais «objectivo» e ao mesmo tempo o mais descontraído de Michaux. Mas nele encontramos os temas essenciais da sua obra.

Ler mais