Partilhar

Sem Fins Lucrativos: porque precisa a democracia das humanidades

Extra Coleção

Martha C. Nussbaum

2 dias

Desconto: 10%
17,90 € 19,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Neste livro tão breve quanto poderoso, Martha Nussbaum, filósofa norte-americana, revela a importância central das humanidades em todos os níveis da educação e discorre sobre as razões pelas quais devem ser consideradas essenciais para a criação de cidadãos democráticos competentes. Recentemente, a tendência perturbadora, nos Estados Unidos e não só, para tratar a educação como se o objetivo principal fosse ensinar os alunos a serem economicamente produtivos, em vez de pensarem criticamente enquanto indivíduos conhecedores e empáticos, revela que a crise das ciências humanas está longe de diminuir. A par de uma crescente incapacidade para pensar, vemos também cada vez mais reduzida a solidariedade para com algumas franjas da sociedade, bem como a competência para lidar com problemas globais complexos. A perda destas aptidões elementares, defende Nussbaum, põe em risco a saúde das democracias e a esperança num mundo melhor.

Em resposta a esta situação terrível, Nussbaum propõe que resistamos aos esforços para reduzir a educação a uma ferramenta do Produto Nacional Bruto. Em vez disso, é fundamental trabalharmos para associar a educação às humanidades, a fim de proporcionar aos estudantes a possibilidade de serem verdadeiros cidadãos democráticos dos seus países e do mundo. Traduzido em mais de vinte línguas, Sem fins lucrativos oferece-nos um cenário preocupante, mas esperançoso, e constitui um manifesto que deve ser um grito de guerra para quem se preocupa com os propósitos mais profundos da educação.



Ler mais

Autor

Martha C. Nussbaum

Martha C. Nussbaum (1947) é uma das filósofas mais importantes dos Estados Unidos. Interessa-se particularmente por filosofia grega, filosofia política, ética, feminismo e direitos dos animais. Publicou dezenas de livros e centenas de artigos, tendo recebido inúmeros prémios, entre os quais o Prémio Kyoto de Artes e Filosofia (2016) e o Prémio Berggruen (2018). O seu estilo, elegante e fluído, é uma provocação à prosa filosófica, que julga abstrata e de uma insipidez prejudicial, além de desligada dos problemas de seu tempo.

Ler mais