Partilhar

Desconto: 20%
9,20 € 11,50 €

Detalhes do Produto

Sinopse

O Príncipe, de Maquiavel, tem uma reputação nefasta. Diz-se que foi leitura de cabeceira de Napoleão, de Hitler e de Estaline, e Shakespeare utilizou a palavra «Maquiavel» na acepção de um intriguista que se compraz em sacrificar pessoas em prol de fins malevolentes. Trata-se, também, de uma obra incessantemente atacada pela religião: O Príncipe foi inscrito no Index de livros proibidos da Igreja Católica, e vituperado pelos reformadores protestantes.
Habitualmente, O Príncipe é lido como um tratado político ou como uma obra de história ou de filosofia, mas, se analisado com mais atenção, constata-se que contém várias leis de sucesso genéricas, das quais o leitor, ou o gestor hodierno, pode tirar proveito.
A diferença-chave entre o manual de Maquiavel e outros guias para príncipes que surgiram na mesma época reside no facto destes últimos terem sido, quase sem excepção, escritos para governantes que eram herdeiros do trono que viriam a ocupar.

Ler mais

Autor

Nicolau Maquiavel

Niccolò di Bernardo dei Machiavelli, ou Nicolau Maquiavel, em português, nasceu em Florença em 1469, no seio de uma antiga família florentina dedicada à administração pública. A educação do diplomata, filósofo, escritor e historiador renascentista foi fraca, devido aos parcos recursos dos pais, mas integrou o tradicional estudo da Gramática, da Retórica e do Latim. Em 1498, começou a sua carreira de serviço público, sendo nomeado, secretário da Segunda Chancelaria, onde desempenhou, entre outras, funções de conselheiro político e levou a cabo missões diplomáticas. Ao longo de catorze anos, Maquiavel observou a forma como os políticos pensavam, agiam e reagiam, e testemunhou um dos períodos mais convulsivos e tumultuosos da História da península Itálica, dominada por lutas de poder e guerras sangrentas entre cidades-Estado. Em 1512, com o regresso da família Médici ao poder florentino, Maquiavel é destituído dos seus cargos, acusado de conspiração, aprisionado, torturado e, finalmente, expulso da sua cidade. Refugiou-se em San Casciano com a mulher e os filhos, e aí escreveu De Principatibus, O Príncipe, um tratado de teoria política particularmente inovador para a época, que pretende servir de manual de liderança para os governantes do futuro. Foi também durante o seu exílio que escreveu Discurso sobre a Primeira Década de Tito Lívio (1517) e A Arte da Guerra (1519-1520). Após um brevíssimo regresso à vida pública, Nicolau Maquiavel, hoje considerado o fundador da filosofia política moderna, morreu na sua cidade-natal a 21 de junho de 1527.


Ler mais