Partilhar

Desconto: 20%
60,00 € 75,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

O Físico Prodigioso é uma das mais ousadas e belas novelas da literatura portuguesa. De um erotismo arrojado, viajando pelas noções de género, este pequeno romance de Jorge de Sena dá corpo a uma edição artesanal, com materiais únicos da Guerra e Paz. Com uma capa articulada em quatro "pastas" ou painéis, o livro tem um metro de envergadura quando completamente aberto e desdobrado. É, por isso, uma edição única no mundo.

Jorge de Sena foi o primeiro autor da Três Sinais, editora que hoje, como coleção de "livros de arte", faz parte do património da Guerra e Paz, Editores. É, por isso, que nela agora se inclui este O Físico Prodigioso.

Como acontece com outras obras da coleção, o texto de Sena, «modelo superlativo do conto fantástico português», é acompanhado por 21 ilustrações de Mariana Viana. O livro tem igualmente as marcas artesanais da coleção: a capa articulada em quatro painéis com ilustrações, sendo esses painéis revestidos a papel couché de 135 gramas, plastificado a dourado, e a faces do miolo, de cor azul, pintadas à mão.

Foram estas as soluções técnicas que a Guerra e Paz encontrou para, num tempo de mudança do paradigma do livro, reforçar a singularidade de uma obra de conteúdo audacioso e perturbador.

Decisiva para a viabilização desta edição foi Isabel de Sena, filha de Jorge de Sena, curadora da sua obra. Acolheu com entusiasmo a sugestão do editor para a presente edição, tendo acompanhado cada passo do processo editorial. A sua forma larga e generosa de ver o livro foi um estímulo e uma inspiração que o editor muito lhe agradece.

O editor louva também à pintora Mariana Viana a coragem de se envolver neste projeto, enfrentando sem temor as limitações de tempo, que balizaram a conceção e desenvolvimento desta edição. As suas 21 ilustrações dialogam com o experimentalismo narrativo, tão poético, de Sena, com a sua liberdade erótica que tem raízes nas antiquíssimas cantigas de amigo e de amor.

Esta edição é também um desafio a bibliófilos e colecionadores. Foram impressos 1500 exemplares, numa edição limitada e numerada. Não haverá reedição ou reimpressão, como aliás é timbre das edições únicas da Guerra e Paz editores.

Ler mais

Autor

Jorge de Sena

JORGE DE SENA (Lisboa, 1919 – Santa Bárbara, Califórnia, 1978), poeta, ficcionista, dramaturgo, ensaísta, crítico literário, teatral e de cinema, historiador da cultura, tradutor e cidadão do mundo, é uma das figuras centrais da nossa cultura e da literatura do século XX. Jorge de Sena formou-se em Engenharia Civil pela Universidade do Porto, em 1944, e trabalhou na Junta Autónoma de Estradas, depois de uma carreira amputada na Marinha, ao ser excluído, em 1938, no fim da viagem de instrução no navio-escola “Sagres”. Em 1945 subscreve listas públicas exigindo eleições livres, em 1956 é um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Escritores e em 1959 está envolvido no frustrado “golpe da Sé”. Em Agosto desse ano, aproveitando uma deslocação à Universidade da Bahia, para participar num colóquio sobre cultura e literatura portuguesa e brasileira, permanece exilado no Brasil, aí desenvolvendo uma importante actividade política como membro da Unidade Democrática Portuguesa, do Centro Republicano Português de São Paulo e do Jornal Portugal Democrático. No Brasil, torna-se professor universitário de literatura e, para poder leccionar, cidadão brasileiro, doutorando-se em Letras em 1964, com uma tese sobre Luís de Camões. O golpe militar desse ano e a onda de perseguições que se lhe seguiu faz com que aceite um convite da Universidade do Winscontin, em Madison, transferindo-se para os Estados Unidos em Outubro de 1965. Em 1970, já como professor catedrático, muda-se para a Universidade de Santa Barbara, onde ocupará os cargos de Director do Departamento de Espanhol e de Português do Programa Interdepartamental de Literatura Comparada.
Ao receber o Prémio Internacional de Poesia Etna-Taormina, em Abril de 1977, Jorge de Sena disse da sua poesia o que podemos dizer de toda a sua obra: que é “a poesia de um homem que viveu muito, sofreu muito, partilhou a vida pelo mundo adiante, sempre exilado, e sempre com uma vontade de ferro. […] uma poesia que, sempre que se forma, não sabe nada, porque é precisamente a busca ansiosa e desesperada de um sentido que não há, se não formos nós mesmos a criá-lo e a fazê-lo” Jorge Fazenda Lourenço

Ler mais