Partilhar

O Drama de Magalhães e a Volta ao Mundo sem Querer seguido de Um Museu dos Descobrimentos: porque não?

Trajectos

Luís Filipe F. R. Thomaz

Envio em 10 dias



Desconto: 20%
8,80 € 11,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Fernão de Magalhães é, e a justo título, o mais conhecido e celebrado navegador da história universal. O seu nome está ligado a uma façanha inédita — a circum-navegação do Globo terrestre (1519-1522) — que, por ironia do destino, apenas teve lugar porque ele pereceu no decurso da viagem que planeara. Foi praticamente em desespero de causa que a nau Victoria (uma das duas que restavam das cinco partidas de Sanlúcar de Barrameda a 19 de Setembro de 1519) se decidiu a empreender a jornada de regresso, de Maluco a Espanha, pela rota portuguesa do Cabo, transformando assim em volta ao Mundo o que se previa ser uma viagem de ida e volta pelo Pacífico.

O mérito de Magalhães está, por um lado, em ter descoberto uma das passagens que ligam o Atlântico ao Pacífico, provando assim a circum-navegabilidade da Terra; mas está sobretudo em ter intuído que o regime de ventos daquele oceano — a que chamou Pacífico por o ter encontrado calmo ao nele entrar — devia ser idêntico ao do Atlântico, o que lhe permitiu escolher a rota certa e assim atravessar à primeira tentativa a sua imensidão, até aí inexplorada.

Ler mais

Autor

Luís Filipe F. R. Thomaz

Luís Filipe Thomaz nasceu em Lisboa, em 1942. Licenciado em História pela FL da Univ. de Lisboa (1965) e em línguas orientais pelo Institut National des Langues et Civilisations Orientales, pelo Institut Catholique e pela Univ. de Paris III (1982). Foi Professor Assistente na FL da Univ. de Lisboa e na Univ. dos Açores e Prof. convidado na FCSH da Univ. Nova de Lisboa, entre 1984 e 2002. É desde 2002 diretor do Instituto de Estudos Orientais da Universidade Católica Portuguesa. É autor de sete livros e de mais de uma centena de artigos, versando quase todos a presença portuguesa no Oriente. Colabora com as revistas Archipel, Anais de História de Além-Mar e Lusitania Sacra. Tem-se dedicado, sobretudo, à história do Oriente, com especial atenção a Timor, onde foi outrora militar, jornalista e professor de Latim e Grego no Seminário de Dare. Foi galardoado com o Prémio D. João de Castro da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, em 1994.

Ler mais