Partilhar

Sintonias da Rádio em Lisboa - 1924-1975

Rogério Santos

Sujeito a confirmação por parte da editora


Desconto: 10%
13,50 € 15,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

A uma curta e inicial fase da rádio, com amadores pioneiros e estações efémeras, sucedeu um período de estabilidade organizativa, cujos profissionais alicerçaram conhecimentos na prática. As estações privadas lisboetas ganharam corpo até final da década de 1930, aguentando as dificuldades da guerra em Espanha e no mundo e as muitas carências em Portugal. A rádio como indústria seguiu os caminhos de sucessos e fracassos da situação nacional. Por isso, relacionam-se picos de atividade da rádio e a sua ação cultural e estética com a realidade social, política e económica. Grande parte do tempo aqui narrado decorreu em ditadura, com a ausência de liberdade de expressão agravada pela guerra colonial (1961-1974). Profissionais foram banidos da rádio ou viram programas suspensos. Com a revolução de abril de 1974, o período desse e do ano seguinte conduziu a profundas mudanças na produção radiofónica, com vicissitudes várias e onde se definiram novas linhas de conduta política e cultural. [Rogério Santos]

O livro apresenta a vida das rádios privadas em Lisboa, da sua origem, na década de 1920, até 1975. As estações incluídas no estudo são Rádio Clube Português e Rádio Renascença, ambas formadas na década de 1930, e Emissores Associados de Lisboa, grupo radiofónico nascido em 1950 mas com existência vinda de trás a partir de pequenas estações familiares (minhocas). Na obra, enfatizam-se programas radiofónicos (variedades, folhetins, desporto, humor e diálogos), publicidade, fusões e grupos multimédia, passagem das emissões em direto para programas gravados, profissionais e produtores independentes, serviços de informação, censura e utilização da rádio pelo poder político. As emissoras pioneiras da segunda metade da década de 1920, em capítulo inicial, apesar de amadoras e terem cessado atividade poucos anos depois, definiram muitas das práticas radiofónicas, caso das transmissões desportivas e do uso da voz do locutor como elemento encantatório da rádio. O livro destaca ainda o período de 1974-1975 e as lutas políticas e culturais que conduziram nomeadamente à ocupação de estúdios e antenas de Rádio Renascença. A Emissora Nacional, estação pública e com sede nacional em Lisboa, não aparece aqui, porque objeto de anterior investigação pelo autor.

Ler mais

Autor

Rogério Santos

ROGÉRIO SANTOS é doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa. Lecciona na licenciatura e mestrado de Comunicação na Universidade Católica Portuguesa, onde também coordena a área científica de Ciências da Comunicação e pertence ao conselho editorial da revista Comunicação e Cultura e ao Centro de Estudos de Comunicação e Cultura (CECC). Integra, também, os corpos sociais do CIMJ (Centro de Investigação Media e Jornalismo) e é membro fundador da SOPCOM (Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação). No CIMJ, é membro do conselho editorial da revista Media & Jornalismo e foi investigador em projectos financiados pela Fundação Ciência e Tecnologia. Tem também uma relação muito próxima com o Obercom (Observatório da Comunicação), de que foi vogal no primeiro conselho directivo. Dos livros que publicou, destacam-se A Negociação entre Jornalistas e Fontes (Minerva, Coimbra, 1997), Os Novos Media e o Espaço Público (Gradiva, Lisboa, 1998), Jornalistas e Fontes de Informação – a sua Relação na Perspectiva da Sociologia do Jornalismo (Minerva, Coimbra, 2003), As Vozes da Rádio, 1924-1939 (Editorial Caminho, 2005) e A Fonte não Quis Comentar – um Estudo sobre a Produção das Notícias (Campo das Letras, Porto, 2006). É co-autor de O Estudo do Jornalismo Português em Análises de Caso (Caminho, Lisboa, 2001) e de Rumo ao Cibermundo? (Celta, Oeiras, 2000). De 2003 a 2005 dirigiu a revista MediaXXI.

Ler mais