Partilhar

Desconto: 10%
16,11 € 17,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

A história clássica de «Antígona» recontada nos dias de hoje a revelar a eternidade da tragédia.

Segundo de uma trilogia de romances que recriam, nos dias de hoje, os dramas clássicos: depois de em «Cada Vez Mais Forte o Sino», um recontar do «Rei Édido», agora é a vez de «Antígona».
Estamos na Tebas das sete portas, numeradas as sete partes desta «Punição», pois é disso que se trata, não havendo lugar para vencedor e vencido quando todos perdem, por ser assim o trágico. Portas encontradas na Ode ao Homem cantada pelo coro; também aqui o alcance da filosofia (a primeira porta), da música (a terceira porta), da física quântica (a quinta), da poesia (sexta), mas também o hedonismo (a segunda porta), a contaminação pelo canibalismo (quarta porta), e a sociedade distópica (sétima e derradeira porta).

É sobejamente conhecida a história de tão comentada e explorada, talvez mais do que qualquer outra. Mas o que fica da famosa fábula neste livro quando o importante não é Antígona ou Creonte, nem os irmãos Polinices e Etéocles? Tudo sendo apenas meios para cumprir o desenrolar da inevitabilidade, na Tebas entre Vila velha de Tão Pouco e a cidade do Porto, repetindo personagens ou versões de uma mesma coisa.

E qual o crime praticado por qualquer uma dessas várias Antígonas do livro? Esse horrível crime que só uma mulher praticaria. Mas com isto que não se espere encontrar a versão feminista de Antígona, nem mesmo um helenismo romântico ao gosto de modas, ou a Antígona presente em cada um de nós tal como Kierkegaard o fez, ou, até, o exagero do divino quando Hegel nos leva a colocá-la acima de Jesus Cristo na sua entrega à morte. Não é disto que se trata e, ao mesmo tempo, é tudo isto.

Ler mais

Autor

Miguel Marques

Ler mais