Partilhar

O Mágico Que não Acreditava em Magia

Pedro Vieira

Em Stock


Desconto: 10%
12,96 € 14,39 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Se pudesses escolher o teu destino, qual seria?

Peter é casado, pai de dois filhos e ocupa um cargo de direção numa empresa de renome no mercado. Contudo, a sua vida parece definir-se pela negativa: pelo tempo que NÃO tem com os filhos, pela comunicação que NÃO consegue estabelecer com a mulher, pelos resultados que NÃO consegue obter da sua equipa. Um dia, inteiramente por acaso (será?), encontra-se com um velho amigo de faculdade, que o convida para assistir a um dos seus workshops. Inicialmente, Peter resiste, pois sempre fora cético em relação a estas «coisas de desenvolvimento pessoal». Mas uma questão levantada no workshop começa a assombrá-lo: «Se pudesses escolher o teu destino, qual seria?».
Peter volta a encontrar-se com o seu amigo e começa progressivamente a aprender mais acerca de desenvolvimento pessoal e Programação Neurolinguística, através de princípios como «o mapa não é o território», «o significado da comunicação é o resultado que se obtém dela» e «não há falhanço, apenas feedback».As lições deste seu novo coach vão permitir-lhe descobrir formas inovadoras de lidar com adversidades – desde as birras dos filhos até às birras dos clientes e dos chefes! – e vão conduzi-lo numa viagem de autodescoberta que o levará a transformar radicalmente a sua vida… transformando apenas a perspetiva que tem sobre ela.

Para mudar de vida, é preciso começar por mudar como olhamos a vida…

Ler mais

Autor

Pedro Vieira

Pedro Vieira nasceu em Lisboa em 1975, mas não se nota. Tenta passar por homem do Renascimento, embora as múltiplas atividades em que investe se devam mais à falta de um talento inequívoco. Digamos que está mais perto dos Da Vinci de Já fui ao Brasil do que do génio italiano. É social media manager, porque estas bios não passam sem palavras estrangeiras, e escritor. E faz desenhos e programas na televisão. Mas é sobretudo um vampiro de terceiros, usando transeuntes inocentes para as suas diatribes mais ou menos ficcionadas. É igualmente um frequentador de ruas, vielas e autocarros, o que lhe oferece muita matéria-prima. Casado, com um filho, sofre por vezes dos nervos.

Ler mais