Partilhar

Desconto: 20%
11,12 € 13,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Tragédia em quatro actos, em verso, 'O Indesejado' data de 1945. Publicada em vários números da revista 'Portucale', conheceu a sua primeira edição, em volume, em 1951. Um clássico na obra de Jorge de Sena, um momento alto no Teatro Português.

Ler mais

Autor

Jorge de Sena

JORGE DE SENA (Lisboa, 1919 – Santa Bárbara, Califórnia, 1978), poeta, ficcionista, dramaturgo, ensaísta, crítico literário, teatral e de cinema, historiador da cultura, tradutor e cidadão do mundo, é uma das figuras centrais da nossa cultura e da literatura do século XX. Jorge de Sena formou-se em Engenharia Civil pela Universidade do Porto, em 1944, e trabalhou na Junta Autónoma de Estradas, depois de uma carreira amputada na Marinha, ao ser excluído, em 1938, no fim da viagem de instrução no navio-escola “Sagres”. Em 1945 subscreve listas públicas exigindo eleições livres, em 1956 é um dos fundadores da Sociedade Portuguesa de Escritores e em 1959 está envolvido no frustrado “golpe da Sé”. Em Agosto desse ano, aproveitando uma deslocação à Universidade da Bahia, para participar num colóquio sobre cultura e literatura portuguesa e brasileira, permanece exilado no Brasil, aí desenvolvendo uma importante actividade política como membro da Unidade Democrática Portuguesa, do Centro Republicano Português de São Paulo e do Jornal Portugal Democrático. No Brasil, torna-se professor universitário de literatura e, para poder leccionar, cidadão brasileiro, doutorando-se em Letras em 1964, com uma tese sobre Luís de Camões. O golpe militar desse ano e a onda de perseguições que se lhe seguiu faz com que aceite um convite da Universidade do Winscontin, em Madison, transferindo-se para os Estados Unidos em Outubro de 1965. Em 1970, já como professor catedrático, muda-se para a Universidade de Santa Barbara, onde ocupará os cargos de Director do Departamento de Espanhol e de Português do Programa Interdepartamental de Literatura Comparada.
Ao receber o Prémio Internacional de Poesia Etna-Taormina, em Abril de 1977, Jorge de Sena disse da sua poesia o que podemos dizer de toda a sua obra: que é “a poesia de um homem que viveu muito, sofreu muito, partilhou a vida pelo mundo adiante, sempre exilado, e sempre com uma vontade de ferro. […] uma poesia que, sempre que se forma, não sabe nada, porque é precisamente a busca ansiosa e desesperada de um sentido que não há, se não formos nós mesmos a criá-lo e a fazê-lo” Jorge Fazenda Lourenço

Ler mais