Partilhar

Desconto: 20%
7,99 € 9,99 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Eu sou o André. Tenho 14 anos e estou há quase seis meses a viver num lar. Não sei bem porque é que decidi escrever este Diário. Se calhar por nenhuma razão especial, mas porque sinto necessidade de partilhar o que sinto e o que sou. Porquê? É a pergunta que de certeza está nas vossas cabeças...Talvez lendo-o consigam encontrar a resposta… E também as respostas a outras tantas perguntas que dizem respeito a jovens ou crianças como eu, para quem a vida não foi nem é fácil mas que acreditam na felicidade. Há 130 anos, pela primeira vez, uma criança maltratada foi recolhida e protegida por um tribunal com base nos direitos que, então, já eram reconhecidos aos cães. Eu sou o André. Tenho 14 anos. Este Diário é a explicação da minha vida e um desafio às vossas consciências. "A leitura de O Diário do André poderá tornar-nos mais conhecedores, mais sabedores, mais pessoas, mais cidadãos e, portanto, mais humanos."

Ler mais

Autor

Mário Cordeiro

Mário Cordeiro, pediatra, professor aposentado de pediatria e de saúde pública da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa. Foi presidente da Secção de Pediatria Social e Comunitária e da European Society for Social Paediatrics, fundador e presidente da Associação para a Promoção da Segurança Infantil e de muitas outras organizações relacionadas com a promoção da saúde e dos direitos das crianças e adolescentes. Membro das Comissões Nacionais de Saúde da Mulher e da Criança, Direitos da Criança e Boas Práticas em Lares. Dirigiu o Observatório Nacional de Saúde. É membro da Academia das Letras e das Artes e autor de vários bestsellers como O Grande Livro do BebéO Livro da Criança ou O Grande Livro do Adolescente, dedicando-se também à escrita de poesia, dramaturgia e romances. Melómano, gosta de estar em família, passear, desfrutar da Natureza e passear o cão, sendo embaixador da Provedoria dos Animais de Lisboa para os programas de sensibilização da interação de crianças com cães. Gosta do Tempo, enquanto espaço de vida, da História, como sinal do passado (não aprecia saudosismos ou nostalgias), e de viver o presente com uma perspetiva no futuro. Sente que o amor, os afetos e a frugalidade, em busca do Belo, são o melhor antídoto para a angústia existencial que sempre sentiu.

Ler mais