Partilhar

O Banco de Portugal e a Sociedade Madeirense: da fundação até finais da Segunda Guerra Mundial

João Abel de Freitas

Disponibilidade Imediata

Desconto: 10%
13,50 € 15,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Com esta publicação procurou-se sintonizar o papel do Banco de Portugal na Sociedade Madeirense, desde a sua fundação até 1945, o fim da Segunda Guerra Mundial, incluindo a sua relação atribulada com a Revolta da Madeira em Abril de 1931, nomeadamente no tocante à decisão de inutilização das notas existentes, sob a orientação do Ministro das Finanças de então, António de Oliveira Salazar.

Muitos outros temas foram, porém, abordados, destacando-se:
- Os fundamentos da decisão da Direcção do Banco em abrir a sua primeira Agência e de, durante muitos anos, ser esta a agência mais lucrativa.
– O papel do Banco na crise bancária da Madeira, anos de 1930.
– A gestão conservadora e “musculada” da Agência. Aliás, não era excepção. Todas as agências do Banco eram assim geridas.
– Os desentendimentos entre a Sede e a Agência, sobretudo na área dos câmbios.
– E a saga da construção do novo edifício da sede da Agência no Funchal.

Aqui e ali também se abordam alguns aspectos do desenvolvimento, revelando-se um aspecto que até hoje tarda em chegar: a definição de uma estratégia de futuro sustentada para a região


Ler mais

Autor

João Abel de Freitas

Ler mais