Partilhar

Irmãos Inesperados

Amin Maalouf

Em Stock



+5% em Cartão Almedina
Desconto: 10%
16,11 € 17,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Alec, desenhador de meia-idade, e Ève, romancista, são os únicos habitantes de uma pequena ilha na costa do Atlântico. Evitam-se, até ao dia em que uma avaria inexplicável em todos os meios de comunicação os força a sair da sua solidão.

O que se passa? O planeta sofreu algum cataclismo após as ameaças contínuas de conflito nuclear e ataques terroristas em grande escala? O que aconteceu nas ilhas próximas, no litoral, no resto do país, no resto do planeta?

Aos poucos, Alec vai resolver o mistério. Graças ao seu velho amigo Moro, que se tornou um dos conselheiros de confiança do presidente dos Estados Unidos, conseguirá reconstruir o desenrolar dos acontecimentos, até descobrir que, embora a humanidade tenha escapado ao desastre, o fez de uma forma tão estranha e inesperada que a História não poderá retomar o seu curso como antes.

O encontro tumultuoso dos nossos desorientados contemporâneos com os seus «irmãos inesperados», pertencentes a uma misteriosa civilização que se autoproclama herdeira da Grécia antiga e que alcançou um conhecimento médico muito mais avançado do que o nosso, faz deste romance um conto moderno de grande força dramática.


Ler mais

Autor

Amin Maalouf

(Líbano, 1949) É um prestigiado escritor francês e, desde 2011, membro da Academia Francesa (onde foi preencher a vaga deixada pela morte de Lévi-Strauss). Dedicou grande parte da sua produção ao romance com vários títulos publicados e especial apetência predileção pelo romance histórico, entre os quais se destacam Leão, o Africano, Samarcanda ou o Périplo de Baldassare. O romance Le rocher de Tanios valeu-lhe o Prémio Goncourt em 1993. Mas também se aventura pelo ensaio: As Cruzadas Vistas pelos Árabes (1983, Prémio Maisons de la Press), Identidades Assassinas (1998) ou Um Mundo sem Regras (2009). Além disso, foi jornalista e chefe de redação da Jeune Afrique, embora se tenha iniciado no An-Nahar, em Beirute, em 1975, antes de se mudar para Paris. Em 2010 recebeu o Prémio Príncipe das Astúrias pela sua obra.

Ler mais