Partilhar

Estórias do Mondego

Fora de Coleção

Coordenação: João Figueira

Em Stock


Desconto: 10%
22,50 € 24,99 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Apresentação
Esta é a estória de um rio e de algumas vidas que ele moldou.
Um rio com sabor a montanha e a sal, que tanto lava as barreias de roupa batida contra as pedras, como é escola a céu aberto de uma juventude irrequieta e pobre, de futuro incerto, errante e sem favorecimentos, entre a serra e a foz. É também caminho, estrada, rota de barqueiros e reserva natural de pescadores. Ali, na Ereira, antes de o rio se fazer mar e onde o poeta local, Afonso Duarte, dizia que "os homens da minha terra passam meio ano a lavourar e outro meio ano ao anzol", ali, terra de arrozais e de lampreia, o Mondego foi sempre uma promessa de vida melhor. Ali e por onde passasse, porque ele era ao mesmo tempo campo, estrada, regadio e pesca — a subsistência de populações inteiras.
Que o digam a Aida Rosa, a moça dos bois, e seu marido, Joaquim Nunes, que apenas pôs pé na escola pela primeira vez aos 35 anos. Ou o António Pardal, nascido e criado na Carapinheira, nos anos 30 do século passado, e que, ainda menino, vai ganhar sete escudos ao dia nos campos do Mondego...
(...)
João Figueira

Ler mais

Autor

João Figueira

JOÃO FIGUEIRA nasceu em Torres Vedras, habitou em três continentes, mas a sua cidade é Coimbra onde vive há 30 anos, com algumas intermitências pelo meio. Doutorando em Ciências da Comunicação e autor do livro “Os jornais como actores políticos — o Diário de Notícias, Expresso e Jornal Novo no Verão Quente de 1975”, é assistente convidado da licenciatura em Jornalismo da Universidade de Coimbra. Integra o grupo de trabalho “História da Comunicação e do Jornalismo”, do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS 20) em cujo âmbito realizou a presente obra. Foi jornalista durante mais de duas décadas, a maioria das quais ligado ao DN, de onde saiu em Agosto de 2006, quando decidiu suspender a actividade jornalística. Entre 1988-92 exerceu jornalismo em Macau, chefiando as redacções dos dois jornais onde trabalhou, ao mesmo tempo que garantia, para o DN, a cobertura noticiosa da região Ásia-Pacífico. O Clube Português de Imprensa atribuiu-lhe o Prémio de Jornalismo/99,na modalidade Re-portagem Imprensa, pelo conjunto de trabalhos publicados sobre o “Stress pós-traumático de guerra”, feito junto de antigos combatentes. O Rotary Club de Leiria distinguiu-o com o Prémio Profissional de Mérito 2000. É director de conteúdos da empresa Ideias Concertadas.

Ler mais