Partilhar

Desconto: 10%
9,90 € 11,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Nestas Elegias, Hölderlin manifesta a simpatia que nutria pela cultura classicista, cujos valores estéticos gostava de cultivar na sua poesia. Assim, escritas em verso, os temas destas Elegias estão, regra geral, relacionados com o culto do belo e/ou a mitologia clássica de origem pagã. Partindo de cenários extraordinários (como o amor de dois deuses), mas também de situações mais frequentes (como o regresso a casa dos pais, ou um passeio pelo campo), o autor constrói quadros idílicos. Um livro de deslumbramento, de culto do belo, de trabalho da luz e de apelo à Natureza.

Ler mais

Autor

Friedrich Hölderlin

Friedrich Hölderlin, nascido a 20 de março de 1770 em Lauffen am Neckar, na Alemanha, foi um dos mais influentes poetas e filósofos do seu tempo. Por vontade expressa da sua mãe, que queria destiná-lo à carreira eclesiástica, Hölderlin frequenta o Seminário de Tübingen a partir de 1788, onde estuda Filosofia e Teologia, e também onde conhece Hegel e Schelling, com quem redigiria mais tarde um dos mais célebres documentos do idealismo alemão: O mais antigo programa de sistema do idealismo alemão. Termina os estudos em 1793 mas nunca chega a abraçar a carreira eclesiástica, antes tornando-se preceptor. Dois anos mais tarde, frequenta brevemente a Universidade de Iena, onde convive com Johann Gottlieb Fichte e com Novalis. Em 1796 apaixona-se por Susette Gontard, a «Diotima» dos seus poemas. Este amor impossível marca toda a sua escrita posterior. A partir de 1802, ano em que esta morre, as suas perturbações psíquicas vão-se agravando. Em 1806 é enviado para uma clínica mas considerado incurável, e acaba por ser entregue aos cuidados do marceneiro Ernst Zimmer, em cuja residência, na Torre de Tübingen, passa os últimos 36 anos da sua vida, morrendo a 7 de junho de 1843 aos 73 anos. Hölderlin foi um grande admirador da mitologia grega e de antigos poetas gregos como Píndaro e Sófocles, mesclando, nos seus escritos, temas cristãos e helénicos. A sua obra mais conhecida é o romance Hipérion, de 1799.


Ler mais