Partilhar

Dias e Noites de Amor e de Guerra

Eduardo Galeano

Em Stock


Desconto: 10%
16,20 € 18,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

O sistema que programa o computador que alarma o banqueiro que alerta o embaixador que janta com o general que adverte o presidente que intima o ministro que ameaça o director-geral que humilha o gerente que grita ao chefe que abusa do empregado que despreza o operário que maltrata a mulher que bate no filho que pontapeia o cão.

Obra nascida da repressão no Uruguai, escrita durante o exílio do autor, Dias e Noites de Amor e de Guerra (1978, Prémio Casa de las Américas) é um poderoso testemunho do quotidiano em tempos de fascismo, da máquina do medo que silencia os povos e da coragem de quem recusou calar-se. Os contos e as crónicas de Eduardo Galeano são um espelho da sua própria vida: belos mas assombrosos, heterogéneos mas nunca dispersos, une-os a urgência da memória, a vontade de cristalizar os dias intermináveis e as noites em claro de quem, entre o cadafalso e a censura, escolheu lutar e amar. Celebração da vitalidade e perseverança de um continente inteiro, em linhas de uma invulgar sensibilidade histórica e mestria expressiva, Dias e Noites de Amor e de Guerra resgata do esquecimento companheiros, amantes e desconhecidos, os mortos e os vivos, pessoas de todos os matizes que sofreram a diáspora, penúria e repressão dos «anos de chumbo» da América Latina.

Ler mais

Autor

Eduardo Galeano

Eduardo Galeano (1940-2015) notabilizou-se como um dos mais apaixonados activistas e escritores latino-americanos. Nos cafés de Montevideu, despertou para o «arco-íris da humanidade», para o colorido das gentes e dos pequenos gestos, e aprendeu a escutar a dignidade das vozes das ruas. Com um percurso intensamente político, Eduardo Galeano foi, nos anos 60, editor do mítico Marcha, principal jornal de esquerda uruguaio, e, se sonhara ser jogador de futebol em criança, cedo se tornou um ponta-de-lança dos oprimidos e dos sem-voz, fintando o silêncio a que estavam condenados. A publicação de Veias Abertas condenou o autor à prisão e forçou-o ao exílio na Argentina, onde esteve nas listas dos esquadrões da morte, e em Espanha. A sua voz alimentou o fogo de movimentos contestatários, ecoou entre o nevoeiro do Chiapas, em 1996, e entre os indignados de Madrid, em 2011. Na sua obra premiada, alheia a géneros, destacam-se a trilogia Memória do Fogo (1982-86), O Livro dos Abraços (1989), Palavras Andantes (1993) e Espelhos (2008).

Ler mais