Partilhar

Azuis Ultramarinos. Propaganda Colonial e Censura no Cinema do Estado Novo

Extra Coleção

Maria do Carmo Piçarra

Em Stock


25,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Quando emergiu a geração do Cinema Novo, quais foram as evidências da (im)possibilidade de um outro olhar sobre as colónias portuguesas em obras de autor que foram censuradas e proibidas? Como é que a propaganda do Estado Novo filmou o «modo português» de estar no mundo»?
Este ensaio é um contributo decisivo para o estudo sobre a forma como Portugal «imaginou», durante a ditadura, o seu colonialismo através da sétima arte. «Em campo», é feita uma análise das representações coloniais impostas pelas actualidades cinematográficas de propaganda, nomeadamente, o Jornal Português (1938-1951) e Imagens de Portugal (1953-1970), publicações financiadas pelo Estado Novo. Em «contracampo», são recuperados três casos de filmes de autor proibidos: Catembe (1965) e Deixem-me ao menos subir às palmeiras... (1972), filmados em Moçambique por Manuel Faria de Almeida e Joaquim Lopes Barbosa, respectivamente, e ainda Esplendor selvagem (1972), rodado em Angola, por António de Sousa.
O vislumbre do «homem imaginado» pelo cinema colonial produzido durante o Estado Novo através deste dispositivo «campo/contracampo» faz emergir um imenso «fora de campo», mais amplo do que aqueles que o olhar da câmara permite captar, de acordo com um programa político ou uma sensibilidade de autor.

Ler mais

Autor

Maria do Carmo Piçarra

Doutorada em Ciências da Comunicação. Entre outras publicações, é autora de Salazar vai ao cinema, obra em dois volumes (2006, 2011), e de O cinema Ideal e a Casa da Imprensa: 110 anos de filmes (2014), além de coordenar a trilogia Angola, o nascimento de uma nação (vol. 1, O cinema do império, 2013; vol. 2, O cinema da libertação, 2014). É co-editora da Aniki – revista da Associação de Investigadores da Imagem em Movimento. Actualmente é bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia e desenvolve uma investigação de pós-doutoramento intitulada «Cinema Império. Portugal, França e Inglaterra, representações do império no cinema».

Ler mais