Partilhar

Quino - 60 Anos de Humor

Quino

Temporariamente Indisponível



Desconto: 20%
12,00 € 15,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

O humor de Quino é antiutópico. Este mundo não lhe permite alentar qualquer esperança. Ele não pode oferecer vidros coloridos. Que o façam os outros. Ele expõe a impossibilidade do homem no mundo mercantilizado, mecanizado, caótico, doente, egoísta, competitivo e frio do capitalismo. As suas notas também atingem a massificação e o autoritarismo dos regimes coletivistas. [...]
Se o mundo é assim como Quino diz que é, é preciso fazer algo. E aqui reside a glória de um grande artista: mostrar-nos o horror do dia a dia, o intolerável do que é aceite, o pesadelo que habita o sonho, a impossibilidade ? neste mundo já decidido - de tudo o que podemos amar. Quino não desenha utopias. Não acredita - suponho - que o futuro trará certamente algo de melhor. No entanto, o impiedoso presente que desenha só nos pode levar a querer mudá-lo. Toda a mudança implica imaginar um futuro diferente. Quino impele-nos a isso: ao futuro, à coragem, às nossas mais verdadeiras potencialidades. Assim, e não paradoxalmente, a sua negrura, o seu impiedoso ceticismo transforma-se em prática. [José Pablo Feinmann]

Ler mais

Autor

Quino

Quino, pseudónimo de Joaquín Salvador Lavado, foi um autor de banda desenhada, caricaturista e ilustrador argentino que nasceu em 1932 e que faleceu no dia 30 de setembro de 2020, com oitenta e oito anos.

Formou-se em Belas-Artes e trabalhou desde então como desenhador, mas só viu o seu trabalho devidamente reconhecido quando, de uma campanha publicitária malsucedida, nasceu Mafalda, a sua personagem mais emblemática. As tiras de Mafalda foram publicadas ao longo de dez anos em vários jornais argentinos, tendo alcançado um enorme sucesso em diversos países e sido traduzidas para inúmeras línguas. Quino foi distinguido várias vezes. Recebeu o Troféu Palma de Ouro do Salão Internacional de Humorismo de Bordighera, o Prémio B'nai B'rith Derechos Humanos e o Prémio Quevedos de Humor Gráfico (2001). Em 2014, ganhou o prestigiado Prémio Príncipe das Astúrias na categoria de Comunicação e Humanidades.

Ler mais