Partilhar

Portugal - Dívida Pública e Défice Democrático

Paulo Trigo Pereira

2 dias


Desconto: 10%
3,15 € 3,50 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Como chega um país à quase bancarrota? Porque são pedidos sacrifícios aos cidadãos que parecem não ter fim? Há uma solução duradoura para o problema da dívida pública?

O argumento central deste ensaio é o de que os problemas das finanças públicas derivam da fraca qualidade da democracia. Na primeira parte, analisa-se como a situação actual é o resultado de uma cultura e uma prática orçamental laxista de décadas. Na segunda, após um breve diagnóstico dos bloqueios da democracia, são sugeridas algumas alterações do sistema político e administrativo, no sentido de maior liberdade, transparência e responsabilidade política, necessárias ao renascimento da democracia e à sustentabilidade das finanças públicas.

Ler mais

Autor

Paulo Trigo Pereira

Professor Catedrático do ISEG/Universidade Técnica de Lisboa (http://www.iseg.utl.pt/~ppereira). É autor de livros (Portugal: Dívida Pública e Défice Democrático (FFMS, 2012); O Prisioneiro, o Amante e as Sereias: Instituições Económicas, Políticas e Democracia (Almedina 2008); e Economia e Finanças Públicas (2012) este em co-autoria) e artigos científicos nas áreas de finanças públicas, escolha pública, instituições económicas e políticas. Foi investigador associado em várias Universidades (Amsterdam, Leicester, London School of Economics, New York University e Yale University). Tem sido o coordenador do Mestrado em Economia e Políticas Públicas no ISEG, e o responsável das disciplinas de Economia e Finanças Públicas e Public Economics (1º ciclo), Economia das Instituições, Análise Económica do Direito, Decisões Públicas e Financiamento Local (2º ciclo). Participou em vários projectos de investigação na área de finanças públicas e finanças locais tendo sido o Coordenador do Grupo de Trabalho para a Revisão da Lei das Finanças Locais (2/2007) e membro da Comissão para Reforma do Estado (2006). É cronista regular do jornal “Público”.

Ler mais