Leite Bastos

Surpreendentemente, são pouquíssimas as obras (não mais do que meia dúzia e metade delas pouco mais que opúsculos) que desde meados do século XIX e até hoje foram dedicadas à vida e às horríveis façanhas daquele que tem sido classificado como «o mais violento homicida português», «o mais cruel assassino e o maior serial killer que Portugal alguma vez viu», ou «o homem que aterrorizou Lisboa, espalhando violência e morte».



  • Filtrar por:

Não encontrou o que procura ?

Utilize o nosso formulário de Pedido de Livros