Partilhar

A Consciência de Zeno

Italo Svevo

Em Stock



14,95 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Um retrato mordaz de um homem que tenta desesperadamente deixar de fumar e encontrar um sentido para a sua vida. 

A Consciência de Zeno marcou gerações de leitores e tornou-se um livro de culto do século XX.

Na cidade de Trieste, em Itália, um neurótico homem de negócios segue o conselho do psicanalista e, à guisa de terapia, escreve as suas memórias. É através desta extensa e absorvente confissão que nos é revelada a mente hiperativa e infinitamente obsessiva de Zeno Cosini – e respetivas angústias: o vício do fumo, a incapacidade de lhe pôr cobro, o desdém da bela Ada pelos seus avanços, o inesperado casamento com a irmã desta, Augusta, os casos extraconjugais a que se entrega, a doença que acredita afligi-lo, mas que nenhum médico consegue diagnosticar.

Publicado em 1923, A Consciência de Zeno é um hino ao delírio e à procrastinação, uma obra-prima do realismo psicológico escrita pelo italiano Italo Svevo e justamente celebrado como um romance seminal do modernismo.

«Compreender mal as mulheres é claramente um sinal de fraca virilidade.»

Tradução de Ana Cláudia Santos; 

Introdução de Gonçalo M. Tavares

Ler mais

Amostra

Autor

Italo Svevo

Italo Svevo, pseudónimo do escritor e dramaturgo Aron Hector Schmitz, nasceu em Trieste, cidade do Império Austro-Húngaro à altura, a 19 de dezembro de 1861. Até aos 18 anos, estudou num colégio interno alemão com os seus irmãos, até que regressou a Trieste, onde continuou a sua formação por mais dois anos, altura em que o pai declara falência e Aron é forçado e procurar um emprego para se sustentar. Ao longo dos vinte anos seguintes, trabalha como bancário no Unionbank de Viena, experiência que o inspirará a escrever, em 1892, o seu primeiro romance, Una Vita, que assinou como Italo Svevo.

A receção à sua obra de estreia foi fraca, não melhorando significativamente quando, em 1898, publicou Senilità. Pacifista, humanista, defensor do Socialismo-Democrático e, depois da guerra, de uma união económica europeia, irá também colaborar com o periódico socialista L’indipendente, com artigos de opinião neste período. Em 1896, casa com a prima, Livia Veneziani, e torna-se sócio do negócio de tintas industriais, usadas em navios de guerra, montado pelo sogro. O negócio floresce e é aberta uma sucursal em Inglaterra, onde Svevo viveu parte da sua vida e onde conheceu James Joyce. Esta amizade influenciaria fortemente o futuro de ambos: Svevo seria a inspiração de Joyce para a personagem do clássico modernista Ulisses, Leopold Bloom; e Joyce determinaria a receção da obra mais importante de Svevo, o romance psicológico de forte cariz autobiográfico A Consciência de Zeno, autopublicado em 1923, cujo herói, Zeno Cosini, na sua demanda para se curar do vício do tabaco, não consegue lidar com a ideia de fumar um último cigarro. A 13 de setembro de 1928, quando regressava com a família das termas de Bormio, não resistiu aos ferimentos causados por um acidente de viação e morreu, aos 66 anos, deixando o seu quarto romance, Il Vechione - a continuação de A Consciência de Zeno - por terminar.

Ler mais