Abdulrazak Gurnah

Vencedor do Prémio Nobel da Literatura 2021.

Abdulrazak Gurnah nasceu em 1948 e cresceu na ilha de Zanzibar, no Oceano Índico, mas chegou a Inglaterra como refugiado no final da década de 1960. Após a libertação pacífica do domínio colonial britânico em dezembro de 1963, Zanzibar passou por uma revolução que, sob o regime do presidente Abeid Karume, levou à opressão e perseguição de cidadãos de origem árabe; massacres ocorreram. Gurnah pertencia ao grupo étnico atingido e depois de terminar os estudos foi forçado a deixar a sua família e fugir do país, então formado República da Tanzânia. Tinha dezoito anos. Só em 1984 foi possível voltar a Zanzibar, permitindo-lhe ver o seu pai pouco antes da sua morte. Até à recente reforma, Gurnah foi Professor de Inglês e Literaturas Pós-coloniais na Universidade de Kent em Canterbury, com foco principalmente em escritores como Wole Soyinka, Ngugi wa Thiong’o e Salman Rushdie.

Gurnah publicou dez romances e vários contos. O tema da perturbação do refugiado permeia todo o seu trabalho. Começou a escrever aos 21 anos no exílio inglês e, embora o suaíli fosse sua primeira língua, o inglês tornou-se a sua ferramenta literária. Disse que em Zanzibar, o acesso à literatura em suaíli era virtualmente nulo e os seus primeiros escritos não podiam ser considerados estritamente como literatura. Poesia árabe e persa, especialmente "The Arabian Nights", foram uma fonte inicial e significativa. O seu romance ”Desertion” (2005) sobre um caso de amor torna-se uma contradição cega ao que o próprio chamou de “romance imperial”.

A escrita de Gurnah é do seu tempo no exílio, mas pertence à sua relação com o lugar que ele deixou, o que significa que a memória é de vital importância para a génese da sua obra. O seu romance de estreia, ‘Memory of Departure’, de 1987, é sobre uma revolta fracassada e mantém-nos no continente africano.

Gurnah permite, frequentemente, que as suas narrativas cuidadosamente construídas levem a um insight conquistado a duras penas. Um bom exemplo é o terceiro romance, ‘Dottie’ (1990), um retrato de uma mulher negra de origem imigrante crescendo em condições adversas na Inglaterra dos anos 50, racialmente carregada, e por causa do silêncio da sua mãe sem conexão com a sua própria história familiar.

No tratamento que Gurnah dá à experiência do refugiado, o foco está na identidade e na autoimagem, aparente não apenas em "Admiring Silence" (1996) e "By the Sea" (2001). Em ambos os romances na primeira pessoa, o silêncio é apresentado como a estratégia do refugiado para proteger a sua identidade do racismo e do preconceito, mas também como um meio de evitar uma colisão entre o passado e o presente, produzindo deceção e autodeceção desastrosa.

No universo literário de Gurnah, tudo está em constante mudança- memórias, nomes, identidades. Isso provavelmente ocorre porque o seu projeto não pode ser concluído em nenhum sentido definitivo. Uma exploração interminável impulsionada pela paixão intelectual está presente em todos os seus livros, e igualmente proeminente em ”Afterlives” (2020).

O seu romance Paradise, foi selecionado para o Booker Prize e o Whitbread Award, e By the Sea, finalista do Los Angeles Times Book Prize.



  • Filtrar por: