Partilhar

13,90 €

Detalhes do Produto

Sinopse

A Ilíada e a Odisseia ocupam um lugar à parte na literatura em geral. São as primeiras obras escritas que a Grécia produziu. Impuseram-se, logo de início, à admiração de todos. Os poetas líricos gregos, os trágicos, os historiadores alimentaram-se delas e imitaram-nas. O seu texto serviu de base à educação na Grécia. A seguir, os heróis dos dois poemas passaram para o mundo moderno, onde inspiraram outras obras, alusões, sonhos poéticos, reflexões morais. E além disso, ainda hoje, quando alguém retoma o texto de Homero é difícil resistir a esta simplicidade directa e, contudo, matizada, a esta vida radiosa e, contudo, cruel, a estas narrativas cheias de maravilhoso e, contudo, tão humanas. Nesta obra, a autora interroga-se sobre os factores que podem explicar este deslumbramento, os quais são essencialmente de ordem literária.

Ler mais

Autor

Jacqueline de Romilly

JACQUELINE DE ROMILLY nasceu em Chartres, em 1913, filha de Maxime David, professor de Filosofia, e de Jeanne Malvoisin. Casou-se em 1940 com Michel Worms de Romilly. Estudou em Paris no liceu Molière, onde foi laureada no concurso geral no primeiro ano em que as mulheres puderam concorrer, no liceu Louis-le-Grand, na l’École normale supérieure e, finalmente, na Sorbonne. Doutorada em Letras e professora agregada de Letras, deu aulas em vários liceus, tendo mais tarde leccionado Língua e Literatura Gregas nas universidades de Lille (1949-1957) e na Sorbonne (1957-1973), antes de ser nomeada professora no Collège de France em 1973, a primeira mulher a conseguir tal distinção, para a cadeira «A Grécia e a formação do pensamento moral e político». Desde o início que Romilly se dedicou à literatura grega clássica, ensinando e escrevendo, fosse sobre os autores do período clássico (como Tucídides, sobre quem fez a sua tese de doutoramento, e os tragediógrafos) ou sobre a história das ideias e da análise progressiva do pensamento grego (a lei, a democracia, a bondade, e até o ensino). Alguns dos seus livros resultam deste quadro académico e humanista. Depois de ter sido a primeira mulher a leccionar no Collège de France, Jacqueline de Romilly foi a primeira mulher membro da Académie des inscriptions et belles-lettres (1975), à qual viria a presidir no ano de 1987. Foi também membro correspondente ou estrangeiro de diversas academias, como a da Dinamarca, a Academia Britânica, a de Viena, de Atenas, a Academia da Baviera, a holandesa, a Academia de Nápoles, de Turim, Génova, a Academia Americana de Artes e Ciências, bem como de diversas Academias provinciais e Doutora honoris causa das universidades de Oxford, Atenas, Dublin, Heidelberg, Montréal e Yale. Foi distinguida pelo Estado austríaco com a condecoração para a Ciência e as Artes e recebeu diversos prémios, entre eles o Prémio Ambatiélos, da Académie des inscriptions et belles-lettres (1948), o Prémio Croiset, do Institut de France (1969), o Prémio Langlois, da Académie française (1974), o Grande Prémio da Academia, atribuído pela Académie française (1984), o Prémio Onassis (Atenas, 1995), entre diversos outros prémios gregos, dos quais se destaca o Prémio do Parlamento Grego em 2008, país de que obteve a nacionalidade em 1995. Jacqueline de Romilly faleceu a 18 de Dezembro de 2010, com 97 anos. Página da autora na Academie Francaise Jacqueline de ROMILLY - Académie Française Celebrated French classics scholar dies _ Reuters DN Cultura Faleceu a académica Jacqueline de Romilly, especialista na civilização e língua gregas Faleceu Jacqueline de Romilly, especialista na civilização e língua gregas - JN France24 - French scholar of ancient Greece Romilly dies at 97 French classics scholar Jacqueline de Romilly dies - Washington Post Jacqueline de Romilly murió a los 97 años _ El Economista LE VISAGE - L'héritage de Jacqueline de Romilly - Actualité France - Monde - La Voix du Nord Faleceu no passado dia 18 de Dezembro de 2010 Jacqueline de Romilly, ilustre filóloga, helenista e académica francesa e um dos maiores vultos mundiais dos estudos gregos clássicos. Foi a segunda mulher a integrar a Academia Francesa (Marguerite Yourcenar foi a primeira) e a primeira mulher a dar aulas no prestigiadíssimo Collège de France, precisamente sobre o seu assunto de eleição e que a apaixonou toda a vida: estudos gregos e clássicos. Personagem de invulgar erudição e dimensão intelectual, para além da vastíssima obra que nos deixa Jacqueline de Romilly foi uma incansável pedagoga, que sempre salientou a importância de se estudar em detalhe a civilização e cultura grega clássicas, que enformaram o universo cultural europeu e humanista. Algumas das suas obras estão publicadas por Edições 70, estando previsto para Abril a publicação do seu "Compêndio de Literatura Grega".
Pedro Bernardo, editor da Edições 70

Ler mais