Partilhar

Paris - Austerlitz

Rafael Chirbes

5 dias


Desconto: 10%
12,95 € 14,39 €

Detalhes do Produto

Sinopse

O narrador desta história, um jovem pintor de Madrid, comunista de família opulenta e acomodada, rememora, em tom de confissão urgente, os passos que conduziram ao final da sua relação com Michel, um homem maduro, de cinquenta e tal anos, operário especializado, com a solidez de um corpo de agricultor normando; o homem que o acolheu na sua casa, na sua cama, na sua vida, quando o jovem pintor se encontrou sem casa em Paris; Michel, cuja entrega a toda a prova lhe devolveu o orgulho e o livrou do desamparo, agoniza agora no hospital de Saint-Louis, apanhado pela praga, a doença
temida e vergonhosa. No princípio foram os dias felizes, os passeios pelas ruas de Paris, os copos enquanto o dinheiro não acabava, o álcool e o desejo, o prazer de se amarem sem outra ambição que a de se saberem amados. Porém, pouco depois, as telas abandonadas no modesto apartamento de Michel assinalam ao jovem que as suas aspirações estão muito distantes desse quarto sem luz. E a partir daí a relação entre os dois começa a deteriorar-se, à medida
que se acentuam os efeitos das proveniências distintas, das diferenças de classe, de idade e de formação. Diferenças que Michel combate com convicção, contrapondo-lhes um amor eterno e indestrutível… embora também possessivo e asfixiante.
Rafael Chirbes deu este livro por terminado em maio de 2015, meses antes da sua morte e depois de vinte anos de escrita, sempre abandonada e retomada. Devemos a esse rigoroso e exigente empenho uma história que indaga as razões do coração, por vezes tão espúrias como irrenunciáveis, sem assumir como certa a natureza consoladora do amor ou a sua força redentora, enfrentando com valentia a possibilidade de que, ainda que isso nos pese, o amor não
vença tudo.

Ler mais

Autor

Rafael Chirbes

RAFAEL CHIRBES nasceu em Tabernes (Valência), em 1949. Depois de acabar os seus estudos superiores em História Moderna, em Madrid, começou a fazer crítica literária e de cinema; a par desta actividade, fez algumas reportagens para vários jornais. Durante alguns anos viveu em França, em Paris, e depois em Marrocos. O seu primeiro romance, Mimoun, foi finalista do prestigiado Prémio Herralde, e com La Larga Marcha (1996) obteve na Alemanha - onde é considerado autor de culto - o Prémio SWR Bestenliste. Este romance foi o primeiro de uma trilogia que retrata a sociedade espanhola do pós-guerra até à transição para a democracia; La caída de Madrid (2000) e Los viejos amigos (2003) completam a trilogia. Crematório, um retrato ácido da especulação imobiliária, foi galardoado com o Prémio Nacional de la Crítica. Para além do seu trabalho de escritor, Rafael Chirbes escreve reportagens de viagens para uma revista gourmet. Vive entre Valência e Alicante.

Ler mais