ENVIOS GRÁTIS - Para compras de 20/11 a 16/12. Devolução prolongada até 30/01/2021. Ver condições

Partilhar

Desconto: 20%
12,79 € 16,00 €

Detalhes do Produto

Sinopse

Foi na Primavera de 1988, durante uma estadia em Ponta Delgada, que conheci José do Canto. É verdade que ele morrera, mas desde quando é que tal afectou o meu interesse por alguém? De certa forma, sinto-me mais perto dele do que os seus contemporâneos. Não se trata, como é óbvio, de uma identificação. Quase tudo - e não apenas a época, a origem social e o sexo - nos separa. E, no entanto, não descansei enquanto não decifrei o enigma que o rodeava. Descendente de uma ilustre família açoriana, José do Canto era, no sentido próprio do termo, um «vitoriano». É verdade que nascera nos Açores, e não em Inglaterra, mas a sua cultura era cosmopolita. Como outros portugueses, sabia que vivia na periferia da Civilização, mas, ao contrário deles, considerava São Miguel um paraíso.

Ler mais

Autor

Maria Filomena Mónica

Licenciou-se em Filosofia pela Universidade de Lisboa, em 1969, e estagiou no Centro de Investigação Pedagógica da Fundação Gulbenkian, de que foi depois bolseira em Inglaterra. Doutorou-se em Sociologia pela Universidade de Oxford, em 1978, com a tese A Educação Popular e o Regime de Salazar (1926-1939). A par da carreira e das actividades académicas, colaborou regularmente nos meios de comunicação social. Além de ser autora de numerosos prefácios e artigos sobre questões de educação, sociais e culturais, e diversas obras em colaboração, escreveu duas dezenas de livros. Actualmente é investigadora-coordenadora do ICS da Universidade de Lisboa.

Ler mais