Georges Gusdorf

GEORGES GUSDORF, nascido em 1912 perto de Bordéus, foi um filósofo e epistemólogo francês, oriundo de uma família judia originária da Alemanha. Faleceu em 17 de Outubro de 2000, com 88 anos. Georges Gusdorf sofreu fortes influências de Kierkegaard e do teólogo protestante suiço Karl Barth. Aluno de Gaston Bachelard na Escola normal Superior (ENS) de Paris, também estudou na Sorbonne sob a direcção de Léon Brunschvicg, durante os anos 30, a mesma época de André Lalande e Émile Bréhier. No decorrer da II Guerra Mundial, esteve num campo de prisioneiros entre 1940 e 1945. Este cativeiro fez com que se viesse a interessar por um tema pouco popular entre os filósofos – a autobiografia. Depois da guerra, foi nomeado professor na Universidade de Estrasburgo, ocupando a cadeira de filosofia geral e de lógica. Até então tinha só publicado uma tese, La Découverte de soi, matriz dos seus futuros trabalhos sobre a memória e redigida no decurso do seu longo cativeiro em Lübeck, durante a II Guerra. Nos anos 50, regressa ao ENS, em prepação da agregação de Filosofia. Vem a suceder a Merleau-Ponty, e será mestre de Althusser. De 1966 à 1988, publica (Payot) catorze volumes de uma vasta investigação enciclopédista, Les Sciences humaines et la Pensée occidentale. Em 1968, indignado pela revolta estudantil, exila-se na universidade pontifical do Quebeque, mas regressa a Estrasburgo assim que regressa a calma. Georges Gusdorf afirma ter mesmo de alguma forma previsto esta explosão, na sua obra L'Université en question, lançada em 1964.


  • Filtrar por: